domingo, 20 de septiembre de 2009


MORRER DE AMOR

É prazeroso morrer
nos braços do amor
susurrando seu nome
amando-lhe e movendo-se entre suas entranhas
sentindo um fresco desenho de seu ventre
escutando o silêncio de sua escura e úmida morada
refugiando-se os deuses em prazeres
onde alí se purificam de suas melancolías
e neste lugar sagrado o amor produz seus efeitos
ardendo no corpo e na alma como fogo
numa união de céu e terra
transformando o que ama em algo muito amado
para manter na alma una luz que ilumine
o vivo e puro amor



MORIR DE AMOR

Es placentero morir
en los brazos del amor
susurrando su nombre
amándole moviéndose entre sus partes
sintiendo el fresco diseño de su vientre
escuchando el silencio de su habitación oscura y húmeda
placer y refugio de los dioses
donde se purifican de su melancolía
En ese sitio sagrado el amor produce sus efectos
de ardor en el cuerpo fuego en el alma
de unión del cielo y la tierra
transformación del que ama en cosa amada
candil para mantener en el alma la luz luminosa
del vivo y puro amor

5 comentarios:

cristal de uma mulher dijo...

Siempre el poeta de los sueños de amor.
...refugiando-se os deuses em prazeres
onde alí se purificam de suas melancolías...
Eso si una unión de cielo y tierra una junción del verdadero sentimiento profundo que late en lo corazón puro de alguen que ama sin limites.
Assin es Víctor siempre valorizando el infinito amor.Besos desde Brasil.

Erica Maria dijo...

Que lindo poema!

Gostei do blog, voltarei sempre!

Bjos!

Efigênia Coutinho dijo...

MORRER DE AMOR

BELÍSSIMO SENTIR, SENDO O GRANDE SENTIMENTO QUE MOVE TODO O UNIVERSOS O AMOR.
TEM UM CONVITE AO MEU BLOG PARA O POETA,EFIGENIA

Neilda Moraeis dijo...

Gostaria de ser nestas tuas poesias a mulher que tú ama tanto, que enriquece o sol de tanto amor e paixão.
Víctor é um prazer ler estas poesias cheias de sensibilidade a for da pele de um homem apaixonado pelo o tesouro do caração de uma mulher que para ti transborda. Espero que seja também correspondido porque este seu amor é infinito.
Um forte abraço

Sandra Magda dijo...

Que faria eu poeta para ser esta poesia,que florisse meus dias de agonias e de solidão .Que lindo que voce escreve que paixão avasaladora meu amigo.Meus parabéns por tanto amor escrito.