miércoles, 26 de mayo de 2010

FAÇA- SE O AMOR

No corpo ao corpo da madrugada
afastarei do céu com tua docura as nuvens da sua aura
para que derrames os sucos da sua fruta
que se misturam com a densidade de minha êssencia
Nesse frenesi da aura da qual nao podes escapar
da qual nao desejas escapar
vem abraçarme e olha dentro da minha alma
a madrugada e o crepusculo da sede da meu sangue
que procura em ti o extase profundo


HAGASE EL AMOR

En el cuerpo a cuerpo del alba
apartaré del cielo con tu dulzura las nubes de tu aura
para que derrames los jugos de tu fruta
que se mezclen con la densidad de mi esencia
En ese frenesí del aura de la que no puedes escapar
de la que no deseas escapar
ven abrázame y mira dentro de mi alma
el alba y el crepúsculo de la sed de mi sangre
que busca en ti el éxtasis profundo

6 comentarios:

cristal de uma mulher dijo...

TE ENCUENTRO EN TUS LETRAS DONDE HACEN DE MI EL ENCUENTRO CON EL VIDA Y EL POESIA.
ENCANTADA CON ESTA MARAVILLA

Sonhadora dijo...

Lindissimo poema, cheio de sensualidade.

vem abraçarme e olha dentro da minha alma
a madrugada e o crepusculo da sede da meu sangue
que procura em ti o extase profundo


Muito belo.

Beijinhos
Sonhadora

Lígia Saavedra dijo...

...Para que em nós exploda na imensidão do prazer um insano desejo que cego e surdo ainda pulsa...pulsa... e se esvai...

Bjs querido

Maria Flor! dijo...

Belissímo poema!
Meus aplausos!

Muita Luz em suas inspirações.

Beijo tua alma.

CHIICO MIGUEL dijo...

Excelentes poemas, em letras e imagens, é um gozo, ainda mais ouvindo uma quase divina música.
Obrigado. Passe pelos meus blogs, agradeço.
chico

Fanzine Episódio Cultural dijo...

ASAS
(Pacto dos Anjos)

Você era um anjo
Que decidiu voltar às estrelas
Implorei para que não fosse
Nas estrofes de um singelo poema.

“Meu Sonho”, eu lhe dediquei,
Mas, ao ouvi-lo, partiu,
Em silêncio permaneci e chorei...

Mas, como por encanto retornou...

Levou-me para bem longe
Próximo à beira do mar.
Retirou suas asas
Oferecendo-as às ondas insanas.

Bem longe dali, uma criança triste estava,
Sem esperança de andar e de viver.
As ondas, agora serenas,
Entregaram-lhe um presente...

Ao tocá-las, seus pés se moveram,
Seu coração voltou a bater mais feliz,
Sua alma e seu espírito outrora em conflitos
Em paz agora estavam em vigília...


*poema de Agamenon Troyan, autor do livro
(O Anjo e a Tempestade)